3572 visitatori in 24 ore
 222 visitatori online adesso





Pubblica gratis
Non aprite questo libro!
Cerchiamo autori per pubblicare una antologia di racconti dell'horror in libro cartaceo, con numero ISBN.
Ciascun autore può inviare massimo due racconti dell'horror, sia pubblicati su Scrivere che inediti. Verrà effettuata una selezione
1. La pubblicazione è GRATUITA!
2. Nessun impegno di acquisto di copie!
3. I racconti devono essere di massimo 10 pagine
4. Devono pervenire a libri@scrivere.info entro il 30 Settembre

Menu del sito


Visitatori in 24 ore: 3572

222 persone sono online
Autori online: 8
Lettori online: 214
Poesie pubblicate: 336’258
Autori attivi: 7’486

Gli ultimi 5 iscritti: Loreta Carcaterra - Mezzo Pazzo - LarrySit - WalterSpode - WilliamahTen
Chi c'è nel sito:
Club ScrivereStefano Canepa Messaggio privatoClub Scriveremoreno marzoli Messaggio privato ♦ lazzarini gabriele Messaggio privatoClub ScrivereDanilo Tropeano Messaggio privato ♦ Andrea Messaggio privato ♦ Citarei Loretta Margherita Messaggio privato ♦ Eolo Messaggio privatoClub ScrivereRosanna Peruzzi Messaggio privato
Vi sono online 1 membri del Comitato di lettura








Stampa il tuo libro



Pubblicità
eBook italiani a € 0,99: ebook pubblicati con la massima cura e messi in vendita con il prezzo minore possibile per renderli accessibile a tutti.
I Ching: consulta gratuitamente il millenario oracolo cinese.
Confessioni: trovare amicizia e amore, annunci e lettere.
Farmaci generici Guida contro le truffe sui farmaci generici.

Xenical per dimagrire in modo sicuro ed efficace.
Glossario informatico: sigle, acronimi e termini informatici, spiegati in modo semplice ma completo, per comprendere libri, manuali, libretti di istruzioni, riviste e recensioni.
Guida eBook: Guida agli eBook ed agli eBook reader. Caratteristiche tecniche, schede ed analisi

Responsabilità sociale



Per pubblicare un libro scrivete a libri@scrivere.info

Eu So QUeria Ser Criança

Sociale e Cronaca

A mã e vai buscar o filho no colé gio em meio ao agitado cotidiano.
A vida da crianç a é pautada por uma agenda digna de um executivo de uma multinacional.
O menino tem apenas seis anos de idade.
Fernando - grita a mã e.
Vamos! Você está atrasado para a aula de futebol.
- Mais mã e, me deixa ficar conversando um pouco como Eduardo - retruca o menino.
De jeito nenhum - diz a mã e já meio que sem paciê ncia.
Percebendo que perdera a partida o pequeno obedece a mã e cabisbaixo.
Sem dar ou receber um beijo entrou no carro.
- Meu filho preste atençã o na aula, você precisa ganhar o campeonato - disse a mã e no meio do som infernal do CD que ouvia no carro sempre repleto de objetos pessoais.

Quando se virou viu que o pequeno adormecera. Meia hora depois para em frente à escolinha de futebol.- Desce rá pido que estou atrasada - fala a mã e já acelerando o carro para sair.
- Mais ma ... ma... mã e....
Tarde demais - a mã e arrancou velozmente. Decorridas duas horas, lá vem ela novamente (com muita pressa, como sempre), buscar o filho. Sem beijo e sem perguntar como foi o jogo.

- Entra rá pido no carro, estamos atrasados para a aula de inglê s, diz para o menino parecendo estar no automá tico...
Novamente Fernando adormece no banco do carro.
Poucos minutos depois desembarca meio tonto em frente à escola de idiomas.
A mã e, como faz de modo habitual arranca em disparada. Quase sete da noite vai buscar o filho (com pressa como sempre). Sem dar ou receber beijos ordena que ele entre rá pido no carro. Mal estaciona aterroriza o pobre menino.
- Nada de chegar e ir brincar viu! Tarefa entendeu? Vai, vai logo fazer a liçã o.
O menino cabisbaixo obedece. Enquanto estuda sozinho a mã e se entrega ao computador.
- Mã e, eu quero comer, diz o menino. Espere seu pai chegar - responde sem erguer a cabeç a fixa no teclado do computador.
Exausto e sem um tempo sequer para brincar, esperou pelo jantar até o pai finalmente chegar. Passava das dez da noite, tarde demais. O menino adormecera sobre o prato vazio...
No dia seguinte, a mesma rotina. À s vezes que o pai chega mais cedo, se enfia no escritó rio ou na leitura dos jornais - sempre sã o muitos. A mã e sempre apressada cobrando e o pai sempre muito ocupado lendo o noticiá rio. Tem sido assim desde que o menino completou trê s anos de idade.
A agenda semanal inclui: duas aulas de inglê s, duas de futebol, duas de reforç o, uma de judô, duas de mú sica e uma de mangá. O menino nã o respira.
Percebe- se um ó timo aluno no entanto, solitá rio. Recebe todo tipo de informaçã o, poré m os pais deixam a desejar na formaçã o no quesito amor.
Talvez imaginem estar construindo um robô de ú ltima geraçã o. Só ele tem apenas seis anos de idade. Um quarto repleto de brinquedos sem ter com quem brincar. Cobranç as diá rias quanto ao rendimento de todas as atividades que participa. Um inferno. Quem constró i robô s nã o consegue preparar gente.
Filho precisa sim de informaçã o e mil cursos, de limites e educaçã o també m.
Poré m, tudo isso cai por terra se na formaçã o faltar o amor o diá logo, o exemplo e o carinho.
Até os dez anos de idade as crianç as obedecem, se submetem. Apó s esta idade vem o retorno.
Desespero dos pais como se a crianç a tivesse culpa, quando na verdade as mudanç as de comportamento nada mais sã o do que fruto do descaso, do apego à s famigeradas competiçõ es, do excesso de tarefas e atribuiçõ es. A pressa, a ausê ncia de afeto - o pai omisso na paternidade e a mã e só na cobranç a. O " robô" quer e precisa ser gente, poré m nã o está preparado.
Tarde demais para rever o quadro.
Aproxima- se o dia da Crianç a.
O pai libera o cartã o de cré dito para a compra de mais um brinquedo caro, que sem dú vida alguma se juntará aos outros que Fernando tem e nã o brinca. Nem prestou atençã o quando a mulher falou do valor. Estava enfiado na leitura dos jornais.
- Fernando - gritou a mã e.
Amanhã você sai rá pido da escola que eu vou te comprar o presente do Dia das Crianç as. E nã o se atrase - emendou.
Na saí da, o menino entra no carro, a mã e ao volante sequer lhe dirige um olhar afetuoso, afinal está com pressa. Uma vez mais Fernando adormece no banco de trá s.
Chegam ao Shopping.
- Nã o quero descer - disse o menino.
Meu filho desce logo, viemos comprar o seu brinquedo.
- Nã o vou descer e pronto, disse chorando copiosamente.
- Cooooooooooomo! Gritou a mã e enfurecida.
Seu pai dá o dinheiro para comprar o brinquedo que você quiser, paga nove cursos para você, te compra tudo do bom e do melhor e você agora vem fazer manhã?
Nã o acredito - continuou. Desce e pronto, eu é quem mando!
O menino temeroso desce do carro todo encolhido chorando copiosamente dizendo para a mã e soluç ando: Mã e....
- Mã e eu nã o quero brinquedo.
A mã e sem entender o que o filho dizia, repetiu a gritaria.~

- Mã e, me deixa falar - pediu o menino pela ú ltima vez.
Está bem, entã o fala - disse a mã e cansada de esbravejar, (e apressada como sempre), sem dar um beijo .
- E fale logo, engole o choro que estou com pressa.
- Mã e, sabe o presente que eu quero?
Faaaaaaaaaaaaala, moleque, fala.
O menino cabisbaixo com os olhos marejados, disse em tom quase que inaudí vel:
- Mã e, eu só queria ser crianç a.


Racconto in Portoghese
Ana Stoppa 20/06/2018 16:23 117| Traduci il testo del racconto (primi 10mila caratteri)

Opera pubblicata ai sensi della Legge 22 aprile 1941 n. 633, Capo IV, Sezione II, e sue modificazioni. Ne è vietata qualsiasi riproduzione, totale o parziale, nonché qualsiasi utilizzazione in qualunque forma, senza l'autorizzazione dell'Autore.
La riproduzione, anche parziale, senza l'autorizzazione dell'Autore è punita con le sanzioni previste dagli art. 171 e 171-ter della suddetta Legge.
I fatti ed i personaggi narrati in questa opera sono frutto di fantasia e non hanno alcuna relazione con persone o fatti reali.


SuccessivaPrecedente
Successiva di Ana StoppaPrecedente di Ana Stoppa

Commenti sul racconto Non vi sono commenti su questo racconto. Se vuoi, puoi scriverne uno.

Commenti sul racconto Avviso
Puoi scrivere un commento a questo racconto solamente se sei un utente registrato.
Se vuoi pubblicare racconti o commentarli, registrati.
Se sei già registrato, entra nel sito.

La bacheca del racconto:
Non ci sono messaggi in bacheca.


Ritratto di Ana Stoppa:
Ana Stoppa
 I suoi 10 racconti

Il primo racconto pubblicato:
 
Um Amor Para Toda Vida (18/06/2013)

L'ultimo racconto pubblicato:
 
Racconto di Natale (24/07/2018)

Una proposta:
 
Racconto di Natale (24/07/2018)

Il racconto più letto:
 
A menina e os vaga- lumes (01/12/2013, 885 letture)


 Le poesie di Ana Stoppa

Cerca il racconto:





Lo staff del sito
Google
Cerca un autore od un racconto

Accordo/regolamento che regola la pubblicazione sul sito
Le domande più frequenti sulle poesie, i commenti, la redazione...
Guida all'abbinamento di audio o video alle poesie
Pubblicare un libro di poesie
Legge sul Diritto d'autore (633/41) - Domande e risposte sul Diritto d'autore
Se vuoi mandarci suggerimenti, commenti, reclami o richieste: .



Per pubblicare un libro scrivete a libri@scrivere.info

Copyright © 2018 Scrivere.info Scrivere.info Erospoesia.com Paroledelcuore.com Poesianuova.com Rimescelte.com DonneModerne.com AquiloneFelice.it